quinta-feira, 27 de março de 2008

Não Estou Lá. Nomes da música e seu retrato em tela grande


De alguns anos pra cá, Hollywood tem brindado o público com cinebiografias de grandes nomes da música. Chega aos cinemas brasileiros (finalmente!) o surpreendente Não Estou Lá, a biografia em película do cantor norte-americano Bob Dylan. O filme acompanha as mais variadas fases da carreira do cantor, que multifacetado, também encontra aqui várias faces para interpretar cada fase distinta. E que faces! desde Marcus Carl Franklin - um garoto negro- passando por Cristian Bale, Richard Gere, Heath Ledger (que Deus o tenha!) até chegar na inacreditável Cate Blanchett, talvez a mais parecida com Bob Dylan por mais incrível que seja. Mas não é de hoje que o cinema retrata os seus astros na tela e aqui vão "algumas" dicas de bons filmes baseados em suas vidas.

A cantora Tina Turner já teve sua vida retratada em um filme de 1993 no filme Tina (What's Love Got to Do It), do diretor Brian Gibson. Retratada pela atriz Angela Basset, que ganhou o globo de ouro de melhor atriz pelo papel, Tina foi retratada desde a infância pobre até a vida conturbada ao lado de Ike Turner (Laurence Fishburne). Ray Charles, um dos maiores nomes do jazz americano ganhou performance quase sobrenatural pelo diretor Taylor Hackford em 2004. Ray foi protagonizado pelo ator Jamie Foxx, que ganhou o Oscar de melhor ator pelo papel. Foxx foi aprovado até mesmo pelo próprio Ray Charles, que acompanhou de perto as filmagens, mas não conseguiu ver a obra pronta.

Outra performance quase espírita é da atriz Marion Cotillard na pele de Edith Piaf no francês Piaf - Um Hino ao Amor (La Vie En Rose / La Môme). Como a cantora que encantou Paris com sua voz, é impossível não se deixar levar pela atuação de Marion. Piaf passou por inúmeras tragédias desde a infância e mesmo depois de famosa. O filme foi aclamado em vários países, e Marion Cotillard levou o Oscar desse ano.

Saindo do erudito de Piaf e indo para o mundo de Johnny Cash, interpretado pelo ator Joaquim Phoenix em 2005 no filme Johny & June (Walk the Line). Ao lado de sua companheira June Carter (Reese Witherspoon, oscar), o filme mostra toda a carreira do cantor nos Estados Unidos e ainda embala o espectador na música "I Walk the Line", ícone de Cash.

Entrando no campo das bandas de sucesso, estão os Beatles, que tiveram uma versão americana de suas carreiras no filme The Wonders (That Thing You Do!), dirigido por ninguém menos do que Tom Hanks. Apesar de não ser uma biografia oficial (os meninos da banda The Wonders nem são ingleses) o filme retrata através da banda alguns dos percalços pelos quais os meninos de Liverpool chegaram a passar, desde o sucesso estrondoso até as desavenças internas. Outra "cinebiografia não-oficial" é o fime Dreamgirls - Em Busca de Um Sonho, que seria uma adaptação da carreira do grupo americano The Supremes para a Broadway. A cantora Deena Jones (Beyoncé Knowles) estaria representando a carreira e a vida de Diana Ross, mas nem as Supremes nem os organizadores assumem se é ou não um retrato da banda.

O Brasil também produz suas biografias musicais. O mais badalado deles é sem dúvida 2 Filhos de Francisco, retraro fidedigno da vida dos cantores Zezé Di Camargo e Luciano. Dirigido por Breno Silveira, o filme foi o grande sucesso brasileiro de público e crítica em 2005, mostrando não a dupla sertaneja, mas a vida dura de Francisco e sua obstinação para dar uma vida digna aos filhos e fazer deles cantores de sucesso. Outra grande surpresa foi a atuação magnífica que Daniel de Oliveira fez para Cazuza - O Tempo não Pára, interpretando o maior ícone musical dos anos 80. E não podemos deixar de lado o filme Noel - o Poeta da Vila , que retrata a vida do magnífico Noel Rosa.

Entre outros ainda há retratos de Cole Porter (De-Lovely: Vida e Amores de Cole Porter), Madonna (Quem é Essa Garota?) e Selena (Jennifer Lopez, lembra?). E Hollywood ainda promete mais. Vem por aí as películas com as vidas e obras da cantora Mercedes Sosa, dos cantores Iggy Pop e David Bowie, da banda Queen e do imortal John Lennon.O ícone do tango Carlos Gardel também pode ser adaptado para as telas. No Brasil, ainda está previsto o filme sobre Renato Russo e uma cogitação sobre um dos Paralamas do Sucesso.

Um comentário:

João Barbosa disse...

o filme parece ser bem interessante!

http://palavrasdedesperdicio.blogspot.com/