sábado, 24 de abril de 2010

Alice no País das Maravilhas

Alice in Wonderland
(EUA, 2010) De Tim Burton. Com Johnny Depp, Anne Hathaway, Helena Bonham Carter, Crispin Glover e Mia Wasikowska.

Demorou mais chegou. A saga da menina Alice que cresceu e acaba retornando ao mundo que ela vistitou um dia, mas que ficou apenas como um sonho. Todos sabiam que, se algum dia fosse produzida uma versão live-action do clássico livro de Lewis Carroll, o diretor da empreitada teria que ser Tim Burton. É com esse filme que o diretor, já cultuado por outras produções suas, entra definitivamente para o conceito "popular", já que qualquer ser vivente do planeta sabe quem ele é. Após criar vários mundos paralelos ao nosso, Burton recria mais um com maestria, provando porque só ele pode fazer o que ele faz.

O novo filme começa com uma Alice prestes a completar 20 anos e receber um pedido de casamento de um lorde inglês e assim salvar sua família. Porém, ela vive sendo assombrada por um sonho com coelhos de paletó, animais falantes e um mundo totalmente diferente do seu. Quando ela reencontra o coelho, trata de seguir o animal, entrando mais uma vez pelo buraco que a leva de volta ao Mundo Subterrâneo. Dessa vez, Alice foi atraída pelos habitantes de lá, pra que se cumpra uma profecia onde ela retorna e destrona a Rainha Vermelha. Só que pra isso ela tem que não apenas provar para os outros que ela é a mesma menina de antes, mas descobrir ela mesma quem é a Alice de verdade. Para isso, ela conta com a ajuda dos estranhos habitantes, especialmente do paladino Chapeleiro Maluco.

Tim Burton acertou em não contar a mesma história do desenho clássico da Disney, mas deixa alguns fios soltos que não se prendem corretamente. Tudo é muito atropelado e o que poderia ser uma divertida jornada se torna um tanto quanto cansativa. Alice está perdida, confusa, quer crescer, mas não consegue porque ainda é tão imatura e burra - segundo a lagarta -quanto era quando criança. Se o primeiro filme era sobre ser criança, o segundo é sobre crescer e enfrentar seus fantasmas. O problema é Alice ficar perdida no meio de todos os acontecimentos do Mundo Subterrâneo, enquanto o Chapeleiro Maluco e a Rainha Vermelha roubam toda a atenção.

Claro que não podemos esquecer a razão de ser de "Alice", um grande espetáculo visual, cheio de referências a um mundo saudosista de milhões de crianças do passado. Nesse quesito, tudo é perfeito, sombrio e louco, bem ao estilo Tim Burton. Nem precisamos dizer que o destaque da produção é Johnny Depp, que some na tela para dar vida inteiramente ao Chapeleiro. O mesmo se diz de Helena Bonham Carter (Rainha Vermelha) e Anne Hathaway (Rainha Branca), além do meu personagem favorito do filme: o gato!

"Alice no País das Maravilhas" não é tão maluco e psicodélico quanto o original. Este parece mesmo ter sido feito para crianças, enquanto o outro parecia um videoclipe do Pink Floyd. Mas se podemos ter alguma lição com isso é nunca colocar expectativas tão altas, mesmo se tratando de Tim Burton. No entanto, não dê ouvidos às críticas e se deixe levar pela magia do filme. Afinal, "Alice" pode não ser isso tudo que nós esperamos, mas definitivamente o filme tem o seu charme e isso já é coisa demais pra uma produção desse porte no século XXI.

Nota: 7,0

2 comentários:

André Tropiano disse...

Concordo plenamente!! Esperava outra coisa e até que gostei... Gosto muito dos filmes da Disney! rs
Tanta história a ser explorada e ele acabou se perdendo. Os efeitos 3D não foram dos melhores, totalmente desnecessário!

Anderson Siqueira disse...

Tô doido pra ver em 3D.
=]
Ah! Deixa eu aproveitar pra te dizer o que site FUNtástico!, o qual eu sou o editor-chefe, está com uma promoção relâmpago do filme Quincas Berro D'água. Os 4 primeiros que responderem corretamente a uma pergunta, levam pares de ingressos pra pré-estreia em São Paulo e no Rio de Janeiro. Tô indicando pro pessoal dos blogs que eu conheço.
Dá uma conferida lá: http://www.funtastico.com.br/2010/04/promocao-quincas-berro-dagua/