domingo, 18 de janeiro de 2009

O Curioso Caso de Benjamin Button

The Curious Case of Benjamin Button (EUA, 2008)
De David Fincher. Com Brad Pitt, Cate Blanchett, Tilda Swinton, Julia Ormond.

Quando a parceria David Fincher/Brad Pitt fez sucesso em Clube da Luta, todos sabiam que ela um dia iria se repetir. Só faltava a história certa. Pois, essa história certa é O Curioso Caso de Benjamin Button, o filme em que Brad Pitt enterra, de uma vez por todas, o mito de ser apenas um galã - é um galã de talento. Apesar de todos os efeitos especiais, da maquiagem e de todos os aparatos para reconstruir Nova Orleans em várias épocas, o mérito maior do filme está nas brilhantes atuações e na incrível história desmembrada em um fabuloso roteiro.

Benjamin nasceu no final da Primeira Guerra Mundial com uma estranha anomalia: ele veio ao mundo com a aparência e as doenças referentes a um homem de 80 anos de idade, com pouco tempo de vida. Ele foi abandonado pelo pai, após sua mãe ter morrido durante o parto, e deixado na porta de um asilo. Enquanto criança, Benjamin parece com um velho, mas no seu interior permanece uma infância pouco desfrutada, por conta de sua aparência. Conforme o tempo vai passando, Benjamin descobre que está rejuvenescendo, enquanto todos ao seu redor envelhecem e morrem. Ainda criança, ele conhece Daisy, a menina por quem se apaixona e não vai deixar por toda a vida. Só há um porém: como estar ao lado da mulher amada enquanto ela envelhece e ele se torna cada vez mais jovem? Como encarar um futuro juvenil carregando o peso da idade? E como ver todos ao seu redor morrendo enquanto você parece cada vez mais distante do fim? São essas questões que Benjamin Button procura resolver por si mesmo, enquanto assiste à sua própria vida caminhando para um rumo diferente da maioria dos seres humanos.


O filme em si é uma ode ao bom cinema. Da fotografia à trilha sonora (do compositor Alexandre Desplat), tudo parece se encaixar às diferentes épocas vividas por Benjamin e Daisy. David Fincher comprova mais uma vez que é um diretor competente que sabe muito bem como contar uma boa história. A maquiagem e os efeitos visuais são de impressionar, deixando Brad Pitt e Cate Blanchett mais velhos e - o mais interessante - deixando-os também mais novos! É uma tentação para os olhos ver Cate com 20 anos (e talvez um colírio para os olhos femininos ver Brad Pitt igualmente jovem). Falando neles, a alma do filme está em Brad Pitt. O ator interpreta Benjamin Button em quase todas as fases da vida e seu personagem cativa a platéia em poucos minutos. Pode-se dizer que é o caso de filme perfeito para o ator perfeito.



O Curioso Caso de Benjamin Button não é só a história do homem que nasceu com 80 anos e rejuvenesce em vez de envelhecer. É um filme para se pensar. O que fazemos com o nosso tempo? Aliás, o que é o tempo? Um formador de acasos que interfere nas diferentes vidas existentes no planeta. Enquanto muitos se preocupam com a idade, poderiam se preocupar em não perder mais um dia e aproveitar cada segundo. Somos impotentes na infância e na velhice? Aproveitamos a vida como ela é ou as oportunidades que nos são dadas são ignoradas? O tempo passa pra todos, igualmente. Crescer faz parte e envelhecer também. Mas a cada dia deveríamos agradecer por ter mais um dia acrescentado. Como Benjamim diz em certa parte do filme: "A vida é feita de oportunidades, inclusive as que nós perdemos".

*Só lembrando: O filme obteve 5 indicações ao Globo de Ouro, incluindo melhor ator (Brad Pitt) e melhor diretor (David Fincher). Que venha então o Oscar.

Nota: 9,5

Um comentário:

silvia.rns disse...

É um filme emocionante, realmente nos faz pensar na vida, muitas vezes não entendemos pq envelhecemos, mas o filme mostra bem que é o ciclo correto.não poderia ser de outra maneira..lindo..inesquecível..um dos melhores que já assistí..se não o melhor..Assistam!!